Pular para o conteúdo principal

Instalando o Raspbian (ou qualquer S. O.) no Raspberry Pi

Você já formatou um computador?

Os passos para fazer isso são os seguintes, resumidamente: preparar a mídia de instalação, configurar o computador para inicializar por essa mídia, ligar o computador carregando o sistema por essa mídia, seguir os passos de instalação como configurar os discos, usuário, software básico, etc. e esperar (às vezes muito), torcendo para depois da instalação, no primeiro boot do sistema novo, não tenha ocorrido nenhum erro.

Para instalar o sistema operacional no Raspberry Pi, o processo é mais simples. Porém, requer um pouco de atenção por parte do usuário, para que funcione.

Para instalar o sistema operacional no aparelho será necessário um outro computador com leitor de cartões SD, um cartão microSD (para os primeiros modelos de Raspberry é preciso um cartão SD convencional, mas pode usar um cartão microSD com adaptador) e um arquivo de imagem do sistema operacional que se deseja instalar.

O cartão de memória precisa ser rápido para oferecer ao Raspberry um bom desempenho. De preferência seja classe 10 e que tenha no mínimo 8 GB de capacidade de armazenamento, mas pode ser mais, como por exemplo um cartão de memória de 16 ou 32 GB.

Primeiramente, é preciso baixar o arquivo de imagem do sistema operacional para a gravação no cartão de memória. Os arquivos de imagem estão disponíveis para download no site do Raspberry Pi em https://www.raspberrypi.org/downloads/. Além do Raspbian, que é o sistema operacional oficial, tem o NOOBS (New Out Of the Box Software, algo como tipo Novo Software que saiu da caixa, em inglês), que nada mais é do que um assistente de instalação, que dá ao usuário a opção de qual o sistema operacional irá instalar no Raspberry, além . O arquivo baixado deve estar íntegro, ou seja, não deve estar corrompido. Para confirmar a integridade do arquivo baixado, basta uma verificação de seu hash. Geralmente o arquivo vem no formato zip, mas precisa ser descompactado para ser gravado no cartão.

O momento mais crítico da instalação do sistema operacional no Raspberry é a gravação da imagem no cartão de memória. Você pode fazer isso no Windows, Mac ou Linux.

Para o Mac e o Linux, há um programa em linha de comando chamado dd. Muito usado para fazer backup de um sistema de arquivo inteiro para um arquivo de imagem, este comando está presente no console de terminal de ambos os sistemas. Como esse comando é destrutivo, tem que prestar bastante atenção. Para garantir que está gravando a imagem para cartão certo, certifique-se que não tenha nenhum outro cartão ou pendrive ligado no computador. Tanto no Mac, quanto no Linux precisamos saber a localização exata do cartão de memória para o sistema. Para isso iremos executar o seguinte comando:

$ df –h

No Linux pode ser necessário usar o comando sudo antes de df -h. Como o Mac OS X e o Linux são derivações do sistema Unix, ambos estão locados na pasta /dev (dev é uma redução de devices, dispositivos em inglês). O nome pode variar: pode ser /dev/mmcblk0p1 (com variação dos últimos dígitos, como mmcblk0p2, mmcblk1p1, etc) ou /dev/sdX1 (com variação do final, como sdc1, sdd2, etc), dependendo da versão, e da configuração de hardware do computador. A saída do comando é parecida com esta aqui:

pi@raspberrypi3:~ $ df -h
Sist. Arq.      Tam. Usado Disp. Uso% Montado em
/dev/root        30G  5,6G   23G  20% /
devtmpfs        426M     0  426M   0% /dev
tmpfs           430M     0  430M   0% /dev/shm
tmpfs           430M  6,1M  424M   2% /run
tmpfs           5,0M  4,0K  5,0M   1% /run/lock
tmpfs           430M     0  430M   0% /sys/fs/cgroup
/dev/mmcblk0p1   42M   21M   21M  52% /boot
tmpfs            86M     0   86M   0% /run/user/1000

Neste comando são listados as partições do disco, mas a partição é uma parte do disco, e queremos, no caso o disco, pois o arquivo de imagem é um arquivo que representa todo o sistema de arquivos do disco. Assim, o /dev/mmcblk0p1 é a primeira partição do cartão de memória /dev/mmcblk0 e é este o destino do arquivo de imagem no comando dd.

Antes de invocar o dd, tem que conferir se o cartão não está em uso pelo sistema, ou seja, se o mesmo está montado. Montar, em sistemas Unix, é preparar o dispositivo para uso pelo sistema e pelo usuário. Caso o cartão esteja montado (basta ver se o cartão está visível no gerenciador de arquivos ou se seus arquivos podem ser acessados pelo prompt de comando), a desmontagem do cartão no sistema pode ser efetuada pelo seguinte comando, usando o sudo caso necessário:

$ umount /dev/sdX1

Com o endereço exato do disco descoberto e com o mesmo desmontado, agora é só invocar o dd:

$ dd bs=4M if=2017-07-05-raspbian-jessie.img of=/dev/sdX conv=fsync

No Linux, este comando requer privilégios administrativos, portanto deve-se executar como root ou usar o comando sudo. Explicando em miúdos:

  • dd é o comando
  • bs=4M é o blocksize é o tamanho do bloco de alocação, neste caso, 4 Megabytes
  • if=2017-07-05-raspbian-jessie.img é o arquivo de imagem
  • of=/dev/sdX é o endereço do cartão de memória
  • conv=fsync é o método de conversão de dados, no caso fsync, o que sugere uma conversão síncrona.

É possível acrescentar o parâmetro status=progress ao comando para que seja exibida uma barra de progresso da gravação da imagem no cartão MicroSD. Sem esse parâmetro, tem que aguardar o prompt de comando estar novamente disponível. Durante a gravação não mexa no cartão de memória ou irá corrompê-lo, tornando-o inutilizável.

No Windows o processo parece ser bem mais fácil, mas não é tão garantido como o dd. Primeiro que temos alguns programas que fazem isso, como o Windd, mas vamos usar neste tutorial o Win32 disk Imager.

win32diskimager

Este utilitário é mais simples. Abra o arquivo de imagem (descompactado), selecione a unidade de disco onde está o cartão no menu Device, e clique em Write. Aguarde a barra de progresso encher e pronto, já temos o sistema operacional no cartão.

Depois de gravado o cartão com o sistema, insira-o no Raspberry e ligue o dispositivo, de preferência ligado a uma televisão ou monitor com porta HDMI ou AV, e teclado. Espere carregar e faça o login. Caso a imagem baixada seja a Raspbian Jessie com desktop, também precisará de um mouse e será iniciada a interface gráfica, sem login. Caso seja a Raspbian Jessie Lite (sem área de trabalho), será exibida uma tela de login em modo texto. Para acessar, digite pi como nome de usuário e raspberry como senha.

Pronto! Começou nossa jornada ao universo de Raspberry Pi!

Postagens mais visitadas deste blog

Configurando o Raspberry com o raspi-config

Um dos problemas que algumas distribuições Linux possuem é uma ferramenta de configuração unificada que permita fazer ajustes no sistema.O Raspbian possui uma ferramenta de configuração chamada raspi-config. É um menu em modo texto, onde podemos alterar configurações do sistema e do aparelho. Neste artigo, vamos mostrar todas as opções do raspi-config.Para acessar o raspi-config temos que acessar o terminal, ou seja, o Linux em modo texto, e invocamos o comando em modo privilegiado com o sudo:$ sudo raspi-config Irá aparecer a tela a seguir:Para acessar a opção, digite o número ou navegue usando as teclas de seta para cima e para baixo, confirmando a seleção teclando <Enter>. As opções de configuração estão distribuídas  nestas opções iniciais:Change User Password: para alterar a senha do usuário pi Hostname: para alterar o nome do dispositivo para a rede Boot Options: para alterar como será o processo de inicialização. Localisation Options: permite alterar as opções de internaciona…

Acabou a TV analógica? Com o Raspberry Pi, a velha TV ainda funciona!

No dia 29 de março, as transmissões analógicas de televisão foram encerradas na Grande São Paulo. Até 2023, todo o Brasil receberá o sinal de TV aberta apenas por transmissão digital. Mas isso não significa que seu velho televisor se transforme em mobília inútil e forte candidato a ir para o lixo. O Raspberry Pi pode dar uma sobrevida ao aparelho, pois conta com uma saída analógica de áudio e vídeo por meio de cabo RCA.

Se o seu televisor possui entrada auxiliar RCA, basta plugar um cabo RCA na TV, dependendo do modelo de Raspberry Pi que você possua. Para os Raspberry Pi de primeira geração é preciso um adaptador de P2 estéreo para RCA e um cabo AV, ou um cabo P2/RCA com um cabo RCA avulso para o sinal de vídeo. Para os Raspberry Pi de segunda geração é preciso um cabo P2 trifásico para RCA, e em alguns casos, de um adaptador para o plugue triplo. O cabo P2 trifásico é igual ao usado nos fones de celular e geralmente é us ado em filmadoras. 
Se o televisor não possui entrada auxiliar,…

Do Raspbian 8 para o Raspbian 9 sem formatar o Raspberry

Quem já tem um Raspberry Pi com o sistema operacional Raspbian há um certo tempo, pode ter a versão 8 (Jessie) do sistema. Este ano, o Raspbian foi atualizado para a versão 9 (Stretch) do sistema, acompanhando o lançamento da nova versão do Debian, a qual o Raspbian se originou.
Agora o incauto usuário vai perguntar: "Vou ter que fazer o backup dos arquivos e baixar de novo a imagem do sistema atualizado e formatar de novo o cartão SD?"
Não vai precisar, pois é possível fazer o upgrade do sistema operacional fazendo um conjunto de comandos.
Como muitos pacotes de software foram atualizados do Raspbian 8 para o 9, então o processo de atualização, apesar de ser simples, é bastante demorado, podendo levar algumas horinhas para concluir.
O processo se consiste em três etapas: atualizar o software atual, alterar os repositórios APT para apontar para a nova versão do sistema e, por fim, atualizar novamente o software.
Todo esse tutorial será realizado em linha de comando, ou seja,…