Pular para o conteúdo principal

Raspberry Pi: uma revolução em tamanho diminuto

O final da década de 70 e início da década de 80 foi um marco para a computação. Antes restrito ao meio acadêmico, industrial e corporativo, o microcomputador passou a fazer de uma nova realidade: a dos lares. Os PC's (Personal Computer), introduziram o conceito de computação pessoal, onde tínhamos um dispositivo capaz de realizar operações matemáticas, editoriais e de armazenamento e processamento de dados.
E naquele tempo, o uso da computação era bastante experimental.Nas universidades, os estudantes montavam seus próprios computadores e faziam experimentos com eles. Além de programação, dispositivos de hardware eram testados através de pinagens, soldagens e outros métodos, como, por exemplo, o uso de slots.
Padrões surgiram para tornar os computadores mais compatíveis entre si, além de expansíveis e adaptáveis a diversas situações. O padrão IBM-PC passou a ser um padrão bastante utilizado na indústria de computadores, em contraponto ao padrão Apple e por conseguinte, o Macintosh.
Isso fez com que a computação perdesse um pouco sua característica experimental e passasse a ser um mero seguidor de uma indústria de tecnologia da informação, onde o monopólio da inovação tecnológica na informática, com algumas exceções, se concentrava no Vale do Silício, nos Estados Unidos.
A evolução tecnológica da computação barateou o preço dos componentes, mas subjugou a indústria de informática a um padrão: o do microcomputador. O século 21 chegou e o ponto de virada se deu no final da primeira década, com os primeiros Smartfones da Apple e seu ecossistema concorrente: o Android. Isto fez com que a ARM criasse microprocessadores diminutos e com capacidade de processamento necessária para fazer um Smartphone funcionar.
A robótica e a internet das coisas trouxeram um novo conceito de computação, ampliando o leque de possibilidades de dispositivos computacionais. E é aí que surge o Raspberry Pi neste história. Um computador com o tamanho de um cartão de crédito, que realiza diversas operações e possui várias possibilidades de conexão, incluindo com os Arduínos, as placas com poder de processamento limitado, mas versáteis e robustas o suficiente para impulsionar a nova robótica.
O Raspberry Pi representa ao mesmo tempo, a vanguarda e o resgate. A vanguarda de uma nova computação, além do padrão microcomputador/smartphone, e o resgate de uma computação mais experimental, porém mais acessível a pessoas comuns.
É neste universo que surge o Framboesa 3,14, um projeto de comunicação de Kazzttor AMT para debater e divulgar este revolucionário e diminuto dispositivo.

Postagens mais visitadas deste blog

Configurando o Raspberry com o raspi-config

Um dos problemas que algumas distribuições Linux possuem é uma ferramenta de configuração unificada que permita fazer ajustes no sistema.O Raspbian possui uma ferramenta de configuração chamada raspi-config. É um menu em modo texto, onde podemos alterar configurações do sistema e do aparelho. Neste artigo, vamos mostrar todas as opções do raspi-config.Para acessar o raspi-config temos que acessar o terminal, ou seja, o Linux em modo texto, e invocamos o comando em modo privilegiado com o sudo:$ sudo raspi-config Irá aparecer a tela a seguir:Para acessar a opção, digite o número ou navegue usando as teclas de seta para cima e para baixo, confirmando a seleção teclando <Enter>. As opções de configuração estão distribuídas  nestas opções iniciais:Change User Password: para alterar a senha do usuário pi Hostname: para alterar o nome do dispositivo para a rede Boot Options: para alterar como será o processo de inicialização. Localisation Options: permite alterar as opções de internaciona…

Acabou a TV analógica? Com o Raspberry Pi, a velha TV ainda funciona!

No dia 29 de março, as transmissões analógicas de televisão foram encerradas na Grande São Paulo. Até 2023, todo o Brasil receberá o sinal de TV aberta apenas por transmissão digital. Mas isso não significa que seu velho televisor se transforme em mobília inútil e forte candidato a ir para o lixo. O Raspberry Pi pode dar uma sobrevida ao aparelho, pois conta com uma saída analógica de áudio e vídeo por meio de cabo RCA.

Se o seu televisor possui entrada auxiliar RCA, basta plugar um cabo RCA na TV, dependendo do modelo de Raspberry Pi que você possua. Para os Raspberry Pi de primeira geração é preciso um adaptador de P2 estéreo para RCA e um cabo AV, ou um cabo P2/RCA com um cabo RCA avulso para o sinal de vídeo. Para os Raspberry Pi de segunda geração é preciso um cabo P2 trifásico para RCA, e em alguns casos, de um adaptador para o plugue triplo. O cabo P2 trifásico é igual ao usado nos fones de celular e geralmente é us ado em filmadoras. 
Se o televisor não possui entrada auxiliar,…

Do Raspbian 8 para o Raspbian 9 sem formatar o Raspberry

Quem já tem um Raspberry Pi com o sistema operacional Raspbian há um certo tempo, pode ter a versão 8 (Jessie) do sistema. Este ano, o Raspbian foi atualizado para a versão 9 (Stretch) do sistema, acompanhando o lançamento da nova versão do Debian, a qual o Raspbian se originou.
Agora o incauto usuário vai perguntar: "Vou ter que fazer o backup dos arquivos e baixar de novo a imagem do sistema atualizado e formatar de novo o cartão SD?"
Não vai precisar, pois é possível fazer o upgrade do sistema operacional fazendo um conjunto de comandos.
Como muitos pacotes de software foram atualizados do Raspbian 8 para o 9, então o processo de atualização, apesar de ser simples, é bastante demorado, podendo levar algumas horinhas para concluir.
O processo se consiste em três etapas: atualizar o software atual, alterar os repositórios APT para apontar para a nova versão do sistema e, por fim, atualizar novamente o software.
Todo esse tutorial será realizado em linha de comando, ou seja,…